Diabetes e seu impacto na saúde bucal: cuidados que você precisa ter

Conheça o papel e a responsabilidade do dentista para o atendimento seguro e eficaz de pacientes diabéticos

A diabetes é uma doença metabólica, que é associada a mudanças no metabolismo de carboidratos e aumento do nível de açúcar no sangue. Ela acomete cerca de 463 milhões de pessoas ao redor do mundo e é subdividida em dois tipos: em um deles, é caracterizada pela baixa produção de insulina (tipo 1) e no outro é decorrente de uma falha do organismo na utilização da insulina produzida (tipo 2).

Em ambos os tipos, a dificuldade de cicatrização é uma sequela vastamente conhecida. É importante que essa enfermidade seja tratada, pois pode gerar sérios problemas no médio ou longo prazo. 

Além disso, a diabetes tem relação direta com a saúde bucal, e os riscos de complicações dentais são maiores quando é mal controlada. Por conta disso, é fundamental um atendimento adequado a pacientes com essa condição. 

Aqui na Clínica Abla prezamos pelo conforto e a segurança do paciente.  Sendo assim, a informação é uma ferramenta crucial para desmistificar qualquer assunto, desde a primeira consulta até o final do tratamento. 

Neste artigo você vai saber quais pontos precisam de cautela para que um paciente diabético tenha mais qualidade de vida. Vamos lá?

 

Relação entre diabetes e saúde bucal

Como os pacientes que têm diabetes normalmente demoram para diagnosticá-la ou para controlar, os riscos de desenvolver ou agravar problemas são maiores. No blogpost sobre odontologia preventiva falamos sobre a ligação entre a saúde sistêmica do corpo e a saúde bucal. 

Uma das complicações da diabetes mal controlada é a diminuição do fluxo salivar. Essa é uma séria alteração, porque a salivação é super importante para a saúde bucal, pois mantém a temperatura ideal na boca.  A redução da saliva acarreta no aumento da temperatura na região bucal, o que cria um ambiente mais suscetível para proliferação de bactérias. Com as bactérias vêm o maior perigo de infecções, cáries e mau hálito. 

Além disso, o processo de digestão é iniciado durante a mastigação devido à saliva, por possuir enzimas digestivas. Ou seja, o processo digestivo também é afetado com a diminuição da produção de saliva. 

As doenças de gengiva são outros prováveis danos da diabetes mal controlada. A gengivite pode se manifestar, causar desconfortos e até sangramento na gengiva. Quando agravada, a periodontite aparece: uma infecção bacteriana dos tecidos, ligamentos e ossos específicos que envolvem e sustentam os dentes. 

A periodontite pode resultar na perda dos dentes e deve ser tratada tão logo quanto for possível. É importante ressaltar que as doenças de gengiva têm maior complexidade em pacientes diabéticos quando comparadas com pacientes com níveis de glicose regulados. 

Por fim, estudos conectam a periodontite com a taxa de glicemia, indicando maior estabilização da taxa glicêmica com a manutenção da saúde bucal e contenção desta doença de gengiva. 

 

O atendimento de pacientes diabéticos 

É muito comum que o paciente não saiba que é diabético e descubra no consultório do dentista. Por isso,  a primeira consulta é essencial para que diversas questões sejam respondidas e a investigação seja feita. 

Quando o diagnóstico já existe, é necessário que o médico saiba informações como: qual o tipo da doença, se há uso de insulina e se a glicemia está controlada. 

Por conta da associação entre saúde bucal e diabetes, é recomendado que o paciente passe por um acompanhamento periódico mais recorrente com o dentista para controlar a incidência de cáries e de periodontites. 

Em um cenário de glicemia controlada e normalidade do quadro do paciente, o atendimento odontológico pode ser conduzido da mesma forma como em uma pessoa sem este transtorno. 

 

Como os procedimentos odontológicos são administrados

Para garantir a segurança do paciente, diversos pontos devem ser checados antes de procedimentos como cirurgias.  Primeiramente, o paciente deve fazer exames que comprovem a aptidão para o procedimento em questão. 

Após isso, estando tudo certo, antes da intervenção é feita a medição do nível de glicose antes de longas consultas ou execução de procedimentos. Todo o planejamento e cuidado fazem diferença e constroem um procedimento mais seguro para o dentista e para o paciente. 

Durante o procedimento já é previsto que haja maior sangramento e no pós-operatório também é considerada a maior dificuldade de cicatrização. Essas características são comuns a pacientes diabéticos, conforme dito anteriormente. 

Vale enfatizar: a execução de um procedimento odontológico para um paciente com diabetes é totalmente personalizada, para que haja o mínimo de intercorrência em qualquer etapa. 

 

Cuidados bucais que facilitam o processo 

A higiene bucal é primordial para o controle da periodontite, que é a maior preocupação na saúde bucal de um paciente diabético. Como o sangue dos portadores de diabetes possui uma alta concentração de glicose, o desenvolvimento de bactérias é facilitado. Caso não seja feita uma boa higiene bucal, o acúmulo de restos de comida só favorece a proliferação de cárie.

A conversa com um profissional é muito relevante para a instrução correta da escovação (quantas vezes ao dia escovar, qual tipo de escova usar), do uso de fio dental e demais etapas, como raspar a língua ou utilizar enxaguante bucal. 

 

Por isso, não perca tempo!

Agende sua consulta com um de nossos especialistas e valorize seu corpo cuidando da sua saúde bucal. Estamos te esperando para todo esclarecimento necessário!

 

Referências

MISZTAL, Zofia. Diabetes and oral health. Journal of Education, Health and Sport. Polônia, 8, 9, p.(1083 a 1089),Setembro, 2018. Disponível em: https://doaj.org/article/c953d38bba634e8ea7775fd429481fc3. Acesso em 14/08.

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não pode ser publicado.